Divina Empresa Alcalina

As referências, quando se apresentam, têm a característica da superioridade por natureza. Ainda que esta superioridade nos seja familiar, dada a capacidade dos seguidores alcançarem seus exemplos, elas são como um alvo, uma meta, um pódio a ser buscado e alcançado mediante ajustes de postura, conduta e entendimento ao longo do trajeto.


As referências, quando se apresentam, têm a característica da superioridade por natureza. Ainda que esta superioridade nos seja familiar, dada a capacidade dos seguidores alcançarem seus exemplos, elas são como um alvo, uma meta, um pódio a ser buscado e alcançado mediante ajustes de postura, conduta e entendimento ao longo do trajeto.

Quando temos esta meta “lá na frente”, entendemos que estamos num caminho. Fica clara a situação de estarmos buscando características que ainda não temos. Se evidencia a necessidade de lapidarmos nossa atuação e que esta atuação, para ser lapidada, há de ser fundamentada por níveis de entendimento mais sedimentados e amadurecidos. Não dá pra fazer a mudança de fora pra dentro, endireitando as costas ou penteando o cabelo na expectativa de que isso mude nossa postura em geral.

O alcançar destas metas é possível à medida que uma transformação real aconteça internamente, dando uma estrutura básica para que tudo seja construído acima ou em torno deste alicerce. Como em um prédio vertical; a fundação gasta tempo, dinheiro e outros recursos de forma intensa, mas é o que garante que a estrutura vai ficar em pé depois.

E assim, com o alicerce firme, lá vamos nós; lapidando o ser, a postura, os hábitos, até que os costumes virem caráter de fato. E por mais empenhados, rigorosos ou dedicados que sejamos, sempre há algo mais a ser feito, a ser melhorado. Portanto é um caminho. Estaremos sempre buscando, por mais próximos que estejamos. Isso acontece tanto no contexto existencial e fisiológico quanto no no mundo dos negócios. A evolução espiritual ao ponto da santidade, a saúde fisiológica com ausência total de complicações ou a prática empresarial realmente sustentável são realidades-meta, que nos norteiam e referenciam, mas não são realidades exequíveis na íntegra. 

Assim é quando buscamos alcalinizar o nosso organismo. Há um médico alemão, salvo engano é um homeopata (não me lembro o nome, mas algum leitor deverá saber de quem falo), que diz que “não há doença que sobreviva em um ambiente alcalino”. Isso significa que se conseguirmos alcalinizar nosso organismo até certo ponto, não teremos - jamais - doença alguma! Não seríamos acometidos sequer de complicações que surgem pelo desgaste fisiológico da idade avançada. Seria o fim do câncer, por exemplo. Exceto por lesões acidentais de impactos ou cortes, nada atingiria nosso organismo, prolongando a vida por sabe-se lá quantos anos. Para alcalinizar absolutamente, nossa alimentação teria que ser impecável, sem açucares e carboidratos, menos carnes, mantendo o PH equilibrado. Nosso sangue é considerado com PH bem equilibrado se estiver entre 7,36 e 7,42 de acidez. O índice máximo de alcalinidade é 14 (patamar não suportado pelo nosso organismo). Nossa alimentação, estresse, poluição e outros fatores não permitem este índice de equilíbrio. 

Assim também é quando tomamos para nós, como referência de evolução pessoal, Jesus, o Cristo, por exemplo. Como um ser perfeito enquanto humano, Ele nos mostra como ser uma pessoa de acordo com a Vontade de Deus. Ele não cometeu erro algum. Ou, como preferem os cristãos, não pecou uma vez sequer. E ainda que ele próprio haja dito que “faríamos coisas mais grandiosas do que ele”, não há um ser humano que possa se comparar ou dizer que viveu como Ele viveu; de forma impecável. Há uma frase conhecida entre seus seguidores que diz que “o mais alto que podemos chegar é aos pés de Cristo”. Isso prova a incapacidade de alcance da perfeição que está em Sua pessoa. Podemos sim fazer coisas maiores, mas será pela união dos membros, de vários de nós voltados para uma mesma direção, com cada ser superando ou compensando a fraqueza do outro. Individualmente não seremos santos como Ele. A carne não permite.

Da mesma forma são as empresas em relação à sustentabilidade. É uma meta, é a referência, mas é um caminho. E, como nos dois exemplos anteriores, embora absolutamente aproximável, é inalcançável. Não há e não haverá uma “empresa sustentável”. Há empresas no caminho da sustentabilidade, muitas bem evoluídas, várias referências exemplares e algumas até surpreendentes em suas atuações. Mas nenhuma impecável, santa ou perfeita. E, na verdade, aí é que está a perfeição: em termos uma busca em nossa jornada empresarial, em termos um caminho a seguir sabendo que haverão falhas no seu decorrer, mas que estamos com toda a disposição e bom ânimo para continuar a fazer ajustes e a melhorar. A dificuldade não é pouca! Mas a busca é eterna e a benevolência das metas é certa. Como ouvimos em resposta nas conversas de elevador, ao perguntarmos como o outro está: “Vamos indo! Não pode parar né…”.

Falhas acontecem, mal-humores nos acometem e chocolates são ingeridos. Temos é que ter a consciência da nossa busca constante, da nossa pequenez e das grandes ofertas de aprendizado que só o caminho nos oferece. Portanto chegaremos aos 99,99%, mas não chegaremos aos aos 100. E está tudo certo. Há vários pontos finais, mas eles estão espalhados ao longo da caminhada.

Um mercado com impostos absurdos, leis não cumpridas, concorrência desleal e outros entraves da operação mercadológica é como um banquete com bolos, pães, churrasco e refrigerante ou um ambiente com ira, falsidades, excessos e traições. Não dá pra alcançar o ápice. 

Temos que “operar em um outro ambiente”, mesmo que este esteja planando em paralelo com o mundo real em que vivemos.

Avatar

Por Comunicação Marcelo Salvador Storti


Voltar